Carta

17.4.16 Rogéria Santos 4 Comments


Quantas cartas escritas?
Quantas palavras não ditas?
Quantas folhas amassadas?
Oh, quantas memórias desgastadas

Cartas, bilhetes,
todos em papel
papel e caneta
caneta e papel

Cartas perfumadas,
Tinta borrada,
"meias" palavras
falando de amores inteiros

Como são bonitas as cartas de amor,
e como tristes são as cartas de despedidas,
Ambas tão iguais
e tão diferentes

Tão difíceis de escrever
penso,
escrevo,
amasso,

Recomeço,
e de novo,
não me encontro,
as palavras buscam onde querem ir,

Desisto da carta
desconto minha frustração em forma de poesia,
poesia é livre
não precisa de saudação
não precisa obedecer regras,
vê?
precisa de sentimentos

e esses, aah sentimentos
não me faltam
jamais

4 comentários:

  1. Que poema lindo!!! *---*

    Beijo!
    http://www.miopesanonimos.com/

    ResponderExcluir
  2. A inspiração vem de formas diferentes, vem do jeito que quer. Ainda bem que a sua veio assim. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Inspiração sempre do contra haha que bom que você gostou *-*

      Excluir